Dimensões da nova RN 277: Gestão Organizacional

Publicado em 29 de maio de 2019, por Roberta de Oliveira

Imagem de um gestor em meio a gráficos, números e dados, simbolizando uma das Dimensões da nova RN 277: Gestão Organizacional.

A consulta pública sobre a nova versão do Programa de Acreditação de Operadoras (RN 277), que será homologada em breve pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), trouxe mudanças significativas para a estrutura do programa e sua metodologia, mas principalmente, mudanças relativas aos principais temas abordados nas dimensões.

Neste artigo, falaremos sobre a primeira dimensão do novo Programa, que trata do tema Gestão Organizacional.

Para esta leitura, eu gostaria de lhe fazer um convite! Tente enxergar todo o Programa de Acreditação, mas principalmente a Dimensão 1, “de cima” e “fora da caixa”. Isto é, procure ter uma visão ampla do tema central desta dimensão e de seus subtemas, pois facilita a sua compreensão sobre todos os processos envolvidos neste novo modelo.

Somente após esta visão ampliada, conecte com a realidade da sua Operadora e com o seu modelo de negócio para, por fim, partir para os aperfeiçoamentos necessários nos seus processos internos, à luz dos novos itens avaliativos.

 Gestão Organizacional: 1ª dimensão da Nova RN 277

Segundo a própria ANS, a Dimensão 1, que trata da Gestão Organizacional, busca avaliar a gestão das Operadoras, considerando aspectos relativos à estrutura organizacional, a processos de trabalho, à governança corporativa e à sustentabilidade.

A dimensão traz os seguintes subtemas (aos quais chamamos de requisitos):

  • 1.1. Planejamento e Gestão Estratégica
  • 1.2. Sistema de Governança Corporativa
  • 1.3. Política de gestão de pessoas e desenvolvimento de lideranças
  • 1.4. Tecnologia da Informação
  • 1.5. Política de segurança e privacidade das informações
  • 1.6. Gestão de Riscos Corporativos
  • 1.7. Sustentabilidade da Operadora
  • 1.8. Programa de Melhoria da Qualidade – PMQ

Se compararmos esta nova dimensão com a atual, ainda em vigor no Programa de Acreditação RN 277/2011, veremos que muitos aspectos foram modificados.

O modelo atual possui a Dimensão 1 com itens avaliativos que abordam o Programa de Melhoria da Qualidade – PMQ. Na nova versão, este é apenas um requisito da Dimensão, que ficou mais robusta e completa.

Temas como Planejamento Estratégico, Governança Corporativa, Tecnologia da Informação, Riscos Corporativos e Sustentabilidade foram incorporados ao novo modelo, trazendo assim um guia completo para apoiar as Operadoras na melhoria da sua gestão.

Existe ainda uma outra peculiaridade desta dimensão que você provavelmente já deve ter identificado: todos os assuntos aqui tratados estão diretamente relacionados às Lideranças da Operadora.

Desta forma, o primeiro passo a ser dado na busca por um novo modelo de gestão é a sensibilização da Alta Direção. Ela precisa estar convencida das melhorias que podem ser incorporadas à Operadora e comprometida com a mudança de cultura, de processos e de ações.

A inter-relação dos requisitos da Nova Dimensão 1

Você se lembra que no início do texto eu lhe fiz um convite? Se não entendeu o porquê, vou lhe explicar agora.

Esta nova versão do Programa de Acreditação traz 8 requisitos e 72 itens, na sua grande maioria, novos. Eu, particularmente, gosto de vê-los de cima (por isto o convite do início do texto). Entendo todos os requisitos que podemos considerar como se fossem macroprocessos nas nossas Operadoras, assim, estão diretamente inter-relacionados.

Se ampliarmos a nossa visão, veremos que a sistemática de Governança Corporativa (1.2) é extremamente importante para a formalização da estrutura interna da Operadora e transparência nas suas ações e decisões.

O Planejamento e Gestão Estratégica (1.1), que é conduzido pela Alta Direção, deve considerar os Riscos Corporativos (1.6) da sua atuação e direcionar os rumos da Operadora visando metas de curto, médio e longo prazo. Estas metas, buscam a Sustentabilidade (1.7) da organização ao longo do tempo, em um mercado bastante competitivo e com muitas regulamentações. Trazendo também um foco para processos internos voltados a manutenção do capital financeiro, ao crescimento constante e seguro, e ao equilíbrio atuarial da Operadora.

O Planejamento Estratégico serve também de estímulo para a Gestão das Pessoas e das Lideranças (1.3), pois as competências a serem aprimoradas e valorizadas na força de trabalho estarão voltadas ao desenvolvimento de processos que visam os resultados almejados na estratégia.

O Programa de Melhoria da Qualidade (1.8), que na verdade é um sistema, irá promover a busca pela melhoria contínua dos processos internos e práticas de gestão da Operadora, de forma integrada às estratégias definidas e, principalmente, incentivando a análise de resultados para a gestão em todos os níveis: estratégico, tático e operacional.

Temos também a Tecnologia da Informação (1.4) que nos demonstra a importância da utilização de recursos tecnológicos para apoiar toda a operação da organização, contribuindo significativamente para o desempenho e agilidade dos processos internos.

E, por fim, mas não menos importante, a Dimensão 1 traz a relevância do tema Segurança e Integridade das informações (1.5), no qual a confidencialidade e integridade de qualquer tipo de informação devem estar asseguradas e aplicadas a todos os níveis hierárquicos da Operadora.

Por que Gestão Organizacional para as Operadoras?

A Gestão Organizacional é a sistemática de administração da Operadora, pela Alta Direção, com foco na busca dos resultados. É por meio dela que organizamos, planejamentos, executamos, controlamos e avaliamos o desempenho de toda a organização.

Esta Nova Dimensão é um dos vários pontos positivos do Programa de Acreditação de Operadoras que está por vir. Tem extrema relevância, pois induz a discussão de assuntos muito específicos para as Operadoras, como é o caso da Governança Corporativa, da Sustentabilidade, e da Gestão de Riscos.

Como pudemos avaliar de maneira sucinta, este tema e seus subtópicos trazem um guia completo, que as Operadoras podem seguir para implantar práticas de gestão, ou então, aperfeiçoar o seu processo interno.

Na sua opinião, qual o principal impacto positivo que a nova Dimensão 1 irá causar na sua Operadora? Deixe nos comentários.

Sobre o autor

Comentários

No Comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados