Diferença entre Risco e Perigo

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade, semanalmente em seu e-mail

Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

Catia Albuquerque

Catia Albuquerque

Primeiramente, Risco é a probabilidade de um evento acontecer, seja ele uma ameaça, quando negativo, ou oportunidade, quando positivo. Contudo, é o resultado obtido pela efetividade do perigo

Agora vamos ao perigo!

Por sua vez,  perigo é uma ou mais condições que têm o perfil de causar ou contribuir para que o Risco aconteça. Então, não se mede e não há como eliminar o Risco. O Risco é um evento, ele está lá e pode acontecer a qualquer momento. Devemos trabalhar os Perigos. Esses devem ser mitigados, prevenidos, analisados, mensurados e corrigidos. São eles que ocasionam os Riscos.

Entenda porque tratar riscos e perigos

Não devemos mensurar a queda de um paciente, por exemplo, pois esse evento é um Risco. Ou seja, é um fato que pode acontecer. Devemos mensurar e agir nas prevenções para que não aconteça a queda do paciente. As prevenções devem ser nos Perigos que podem levar a esse Risco.

Existem Perigos intoleráveis e tratáveis, porém, existem perigos que devemos manter em vigilância, mas não temos como minimizá-los, pois são perigos que dependem de terceiros (pessoas ou serviços) e está acima de nossas prevenções. Por existirem perigos “toleráveis” é que os riscos são eventos não trabalháveis.

Exemplo prático e fácil para entendermos a diferença entre Perigos e Riscos:

Ação: Dirigir por um trajeto.

Resultado esperado dessa ação: Chegar ao destino com segurança.

Risco: Acidente de trânsito.

Perigos:

  • Não saber dirigir;
  • Dirigir em alta velocidade;
  • Não respeitar as leis de trânsito;
  • Não fazer a manutenção preventiva do automóvel;
  • Outros.

Ações preventivas e/ou corretivas para minimizar os perigos: Ter carteira de motorista, respeitar as leis de trânsito, fazer a manutenção do automóvel, etc.

Portanto, esses são os Perigos que podemos minimizar ou mitigar para que o Risco tenha uma menor probabilidade de acontecer.

Porém, existe um perigo que está “além do nosso controle e mensuração” que é, por exemplo, um motorista entrar na contra mão e atingir o nosso automóvel e ocasionar o evento = Risco (acidente de trânsito). Esse Perigo é impossível de sanarmos, trabalharmos e agirmos com ações preventivas.

Devido a isso, acima foi afirmado que o risco não pode ser trabalhado e sim os perigos.

Essa é uma dúvida normal entre os gestores e funcionários de uma instituição, fazendo com que indicadores impossíveis de trazerem resultados e ações sejam colocados nos processos. Enfim, esses indicadores podem ser assuntos para uma nova postagem.

Postado por Forlogic | www.forlogic.net
Saiba mais sobre qualidade em ferramentas da qualidade
Conheça nossos softwares:
Gestão da Qualidade | Gestão da Metrologia 

Revisado em: 05/05/2022.

Sobre o autor (a)

Este post tem 2 comentários

  1. Alberto Simbine

    Gostei muito do exemplo. Geralmente faz-se mita confusao entre Risco e Perigo chegando-se muitas vezes a considerar-se mesma coisa erradamente.

    1. 14/03/22

      Muito obrigada pelo retorno. Espero que aprecie os demais posts, elaborei com muito carinho.

      Cátia Albuquerque

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Blog da Qualidade

Artigos relacionados

Planos