Mudanças na Acreditação ONA -Tudo o que você precisa saber

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade, semanalmente em seu e-mail

Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

Primeiramente, não faz muito tempo que a especialista Ana Giovanoni escreveu um artigo completo sobre a Acreditação ONA e quais são suas funcionalidades no Blog da Qualidade para saúde. 

Porém, no dia 01/01/2022 entrou em vigor a nova versão do manual aplicados às OPSS (Organizações Prestadoras de Serviço de Saúde), possuindo vigência de 4 anos (válido até 2025). 

A revisão contou com 18 grupos de trabalho e cerca de 140 profissionais, dentre eles: representantes da ONA, das IACs (Instituições Acreditadoras Credenciadas), Avaliadores, Consultores e Especialistas do Mercado e Representantes das OPSS Acreditadas. 

Para facilitar o entendimento, irei separar as mudanças por tópicos! Mas antes, ressalto que todas as modificações foram baseadas em dados científicos.

Visão Geral Sobre as Mudanças na Acreditação ONA

  1. Alteração nas dimensões da qualidade;
  2. Alteração nos fundamentos de gestão;
  3. Inclusão de requisitos CORE;
  4. Novo formato de apresentação dos requisitos;
  5. Subseções novas e realocadas;
  6. Inclusão da auto avaliação;
  7. Novos perfis de organizações elegíveis;
  8. Ampliação da tabela de termos e definições.

Alteração nas Dimensões da Qualidade

As dimensões da qualidade passaram de 8 para 6, sendo elas: Segurança, Efetividade, Centrado no Paciente, Oportuna, Eficiência e Equidade. 

Vamos dividir melhor para você compreender as mudanças.

A versão 2018 possuía em ordem:

  1. Aceitabilidade:  sinônimo de adaptação do cuidado aos desejos, expectativas e valores dos pacientes e de suas famílias. Depende de efetividade, eficiência e adequação;
  2. Adequação: Relevante na medida em que os efeitos do cuidado da saúde não são avaliados em forma absoluta, mas relativamente aos custos; 
  3. Efetividade: Relação entre o benefício real oferecido pela assistência à saúde e o resultado potencial, representado esquematicamente por uma fração em que os estudos epidemiológicos e clínicos oferecem as informações e resultados para obter a resultante desta relação;
  4. Eficácia: Capacidade de produção de melhorias na saúde e no bem-estar;
  5. Eficiência: Relação entre o benefício oferecido pela assistência à saúde e custo econômico;
  6. Equidade: Distribuição dos serviços de acordo com as necessidades de saúde objetivas e percebidas da população;
  7. Integralidade: Conjunto articulado e contínuo de saberes, processos e ações preventivas e curativas, individuais ou coletivas, exigidas para cada caso;
  8. Legitimidade: Possibilidade de adaptar satisfatoriamente um serviço às partes interessadas ou à sociedade como um todo, confirmando sua aceitação e credibilidade. 

Versão 2022:

  1. Segurança: Evitar lesões aos pacientes pelos cuidados que se destinam a ajudá-los;
  2. Efetividade: Não cometer excessos e não deixar de realizar quaisquer medidas desde que seja sempre observado o princípio de fazer a coisa certa, na hora e pessoa certa;
  3. Centrado no Paciente: Fornecer cuidados que respeitam e respondem às preferências, necessidades e valores individuais dos clientes/pacientes garantindo que eles orientem todas as decisões da clínica; 
  4. Oportuna: Reduzir as esperas e por vezes os atrasos prejudiciais tanto para quem recebe quanto para aqueles que prestam cuidados;
  5. Eficiência: Oferecer assistência aos pacientes/clientes de maneira racional, evitando desperdícios sem excessos;
  6. Equidade: Fornecer cuidados que não variam em qualidade devido à características pessoais como gênero, etnia, localização geográfica e status socioeconômico.

 Alteração nos fundamentos de gestão 

Tais fundamentos norteiam a mentalidade presente na criação dos requisitos de cada processo/subseção. 

Versão 2018:

    • Visão sistêmica: Forma de entender a organização como um sistema integrado de todas as áreas de negócio e entender suas interdependências; 
    • Liderança: Mecanismos de liderança. estratégia e controle colocados em prática para avaliar, direcionar e monitorar a gestão; 
    • Gestão de processos: Gestão baseada na melhoria dos processos críticos alinhados à visão e estratégias da organização, focando nas necessidades dos clientes;
    • Desenvolvimento de pessoas: Engajamento ativo que promove a realização profissional e as relações humanas, através do comprometimento, do trabalho em equipe, do desenvolvimento de competências e habilidades e da educação permanente, potencializando o desempenho pessoal e organizacional;
    • Cuidado centrado no paciente: Tratamento individualizado, integral, planejado e efetivo, mediante tomada de decisão compartilhada e comunicação eficiente com o paciente, buscando a dignidade, a compaixão e o respeito às tradições culturais, às preferências e aos valores do paciente e de seu acompanhante; 
    • Foco na Segurança: Promoção de um ambiente seguro, mediante a adoção de ações preventivas, desenvolvendo a capacidade da organização de se antecipar às situações indesejáveis;
    • Responsabilidade socioambiental: Relação responsável, ética e transparente da organização, por meio da potencialização dos impactos negativos de suas atividades na sociedade e no meio ambiente, promovendo o uso racional e adequado de recursos; 
  • Cultura da Inovação: Promoção de um ambiente favorável à melhoria de seu desempenho e de sua vantagem competitiva, com a implementação de novas ideias que possam gerar melhores resultados, a partir de um embasamento referenciado na ética, em boas práticas e em evidências científicas; 
  • Melhoria contínua: Compromisso de identificar, analisar e avaliar a situação existente, de forma sistemática e planejada com base em dados e informações, visando aprimorar produtos, serviços ou processos que possam desenvolver a organização, objetivando melhor desempenho;
  • Ética e transparência: Condição implícita vinculada a formação do indivíduo com parâmetros de honestidade, decência e respeito a todos os públicos interessados; 
  • Natureza não prescritiva: Ausência de recomendação sobre métodos, técnicas e ferramentas a serem escolhidos para alcançar os padrões estabelecidos. 

           Versão 2022:

  • Segurança: Evitar lesões aos pacientes pelos cuidados que se destinam a ajudá-los; 
  • Efetividade: Não cometer excessos, e nem deixar de realizar quaisquer medidas desde que sempre seja observado o princípio de fazer a coisa certa, para pessoa e na hora certa;
  • Centrado no Paciente: Fornecer cuidados que respeitam e respondem às preferências, necessidades e valores individuais dos pacientes/clientes, garantindo que seus valores orientem todas as decisões clínicas; 
  • Desenvolvimento de pessoas: Engajamento ativo que promove a realização profissional e as relações humanas através do comprometimento do trabalho em equipe, do desenvolvimento de competências, habilidades e educação permanente, potencializando o desempenho pessoal e organizacional;
  • Governança Clínica: Estrutura por meio da qual as organizações são responsáveis por melhorar continuamente a qualidade de seus serviços e salvaguardar altos padrões de atendimento;      
    • Integralidade e continuidade do cuidado: Integração de ações preventivas, curativas, individuais e coletivas nos cuidados em saúde, refletidas na articulação da continuidade dos cuidados entre os componentes do sistema e níveis de atenção em saúde; 
    • Responsabilidade Socioambiental: Relação responsável, ética e transparente da organização, por meio da potencialização de impactos positivos e minimização de impactos negativos de suas atividades na sociedade e no meio ambiente, promovendo o uso racional e adequado de recursos; 
    • Cultura da Inovação: Promoção de um ambiente favorável à melhoria de seu desempenho e de sua vantagem competitiva, com a implementação de novas ideias que possam gerar melhores resultados a partir de um embasamento referenciado na ética, em boas práticas e em evidências científicas; 
  • Melhoria contínua: Identificar, analisar e avaliar a situação existente, de forma sistemática e planejada, com base em dados e informações, visando aprimorar produtos, serviços ou processos que possam desenvolver a organizações, objetivando melhor desempenho; 
  • Ética e transparência: Condição implícita vinculada à formação do indivíduo com parâmetros de honestidade, decência e respeito a todos os públicos interessados;
  • Natureza não descritiva: Ausência de recomendação sobre métodos, técnicas e ferramentas a serem escolhidos para alcançar os padrões estabelecidos; 
  • Alta confiabilidade: Compromisso no desenvolvimento e disseminação da gestão de riscos e cultura da segurança do paciente em todos os níveis da organização, além de respostas em modo e tempo oportunos, demonstrando constante busca pelo alto grau de confiabilidade de suas atividades. 

Novo formato de apresentação dos requisitos de acordo com as mudanças na Acreditação ONA

Em 2018 os requisitos eram apresentados da seguinte forma: do item + Descrição do Requisito 

Exemplo: 1. Estabelece um método sistemático 

Agora os requisitos são apresentados em tabela, com informações organizadas e duas colunas para facilitar a compreensão. 

Inclusão dos requisitos CORE

O CORE chegou com o intuito de sinalizar em cada subseção quais são os requisitos de alta prioridade e importância, dos quais uma organização deve tratar como maior foco.

Subseções novas e realocadas

Em números absolutos, a versão 2018 contém 35 subseções, já a de 2022 apresenta 42, sendo elas: 

  • 10 subseções na seção 1;
  • 20 subseções na seção 2;
  • 7 subseções na seção 3;
  • 5 subseções na seção 4.

Inclusão da Autoavaliação 

O tópico foi uma das sugestões de melhorias deixadas pela ISQUA. A partir da atualização 2022, torna-se obrigatória a aplicação da etapa de Autoavaliação para o processo de Acreditação, Recertificação ou Up Grade (avaliações com o objetivo de subir do nível 1 para o nível 2, ou do nível 2 para o nível 3).

Nas avaliações de manutenção, a autoavaliação é facultativa. 

Novos Perfis de Organizações Elegíveis 

Na nova versão, foram adicionados 5 novos perfis de OPSS elegíveis são serviços de:

  1.  Anatomia Patológica;
  2.  Oftalmologia;
  3.  Odontologia;
  4.  Atenção Primária à saúde (APS);
  5. atendimento Pré Hospitalar e Remoção Inter Hospitalar.

Ampliação da tabela de termos e definições 

O Manual ONA 2018 (versão anterior) trouxe nas páginas de 139 a 143 (5 páginas) uma novidade: tabela de Termos e Conceitos.

Uma atividade elogiada que ajudou muitos profissionais na compreensão da metodologia.

Ufa! Essas foram as mudanças na Acreditação ONA 2022! Se sua empresa já possui essa Acreditação, precisará de um projeto de adequação, pois quando o certificado vencer, a empresa será avaliada nesta nova versão. 

Para isso, a nossa dica é: busque um bom curso de atualização no Manual ONA 2022 para que sua equipe continue obtendo conhecimento e orientações sobre as mudanças.

Referência: CEOLIN, Glauber Sena. Principais mudanças do Manual ONA 2022. ForLogic, 2022. E-Book disponível em: *ebook-principais-mudanças-da-ona (1).pdf. Acesso em: 21 mar, 2022. 

Idealizado por Forlogic | www.forlogic.net
Saiba mais sobre qualidade em http://ferramentasdaqualidade.org/
Conheça nossos softwares Gestão da Qualidade https://qualiex.com/

Sobre o autor (a)

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Blog da Qualidade

Artigos relacionados

Planos