[Review] Gestão na área da Saúde

Publicado em 11 de março de 2020, por Priscila Caetano Sinópolis

Imagem retirada do Qualicast #045! Essa imagem está com o Jeison, Marina, Monise, Marquinhos e Ana Giovanoni! Essa imagem foi feita para o artigo sobre gestão na área da saúde!

No texto de hoje, eu vou falar um pouquinho sobre o Qualicast (conteúdo 100% em áudio) gravado com a nossa redatora Ana Giovanoni em que o tema foi gestão na área da Saúde. Minha intenção é trazer algumas informações que eu achei mais relevantes!

Caso você queira ir direto para o Qualicast, clique no botão abaixo! 😀

O que é gestão na área da saúde

Antes de nos aprofundarmos mais no assunto, precisamos entender o básico. Muitas pessoas tendem a pensar que gestão se restringe ao administrar empresas. Entretanto, quando alguém faz o planejamento de quantos dias na semana vai se exercitar ou até mesmo quais refeições pretende fazer, no intuito de ser mais saudável, isso também é uma forma de gestão da saúde, sabia?

Fazer gestão de algo é gerenciar, planejar, gerenciar riscos e pessoas, conhecer as informações de um local ou processo! Ou seja, compreender um cenário e, atuando nele, conseguir alcançar o resultado esperado para as partes interessadas!

Mas e a tradicional gestão administrativa na área da saúde. Aquela que tem a ver com administrar empresas. É importante? Com certeza!

Se tivermos uma gestão mais bem preparada, mais organizada, conseguiremos salvar mais vidas. Muitas vezes, o que falta na saúde não é o dinheiro, mas sim a gestão. Com a gestão bem alinhada, conseguimos aumentar o lucro financeiro das organizações, por exemplo, quando conseguimos melhorar o tempo em que fazemos uma atividade ou até mesmo quando garantimos a saúde do cliente.

Problemas causados por falta de gestão

A falta de gestão e as consequências que ela engloba já está ganhando a atenção dos profissionais na área da saúde. Erros como a falta de comunicação entre os profissionais, incompetência técnica e até mesmo falta de estrutura para receber alguns pacientes são algumas dessas consequências.

Por não conhecer o cliente, os médicos os encaminham para diversos exames, receitam vários remédios para uma coisa que pode ser até mesmo uma questão psicológica, por exemplo. O paciente pode estar passando por um momento delicado na família, relacionamento, e o fato de o médico não o conhecer, não ter proximidade com o contexto familiar, pode gerar um alto custo financeiro para o cliente e também para a instituição de saúde.

Um exemplo muito interessante que a Ana Giovanoni deu no Qualicast é sobre algumas pessoas que passaram por consulta e foram encaminhadas para cirurgia de coluna. Se antes de indicar uma cirurgia o médico tivesse falado com um fisioterapeuta, poderiam ter chegado a outro método ao invés de um procedimento cirúrgico. Um método que fosse menos “dolorido” e até mesmo mais barato.

Nesse caso, se houvesse mais diálogo, os profissionais poderiam ter uma gestão melhor de cada cliente, um conhecimento melhor de quem está recebendo cuidados. Dessa forma, o cliente deve ser acolhido com humanização e ser visto de forma integral. Antes de receitar qualquer remédio, ele deve ser encaminhado para um profissional que consiga avaliar a sua situação como um todo.

Deve-se entender qual é a saúde do cliente, não a doença. Um exemplo muito interessante utilizado no Qualicast é o “médico de família”, aquele profissional que geralmente atende a família toda há algum tempo. Esse médico, por já conhecer o contexto familiar, muitas vezes sabe quando se trata de um problema mais grave ou quando é algo mais simples de se tratar.

Afinal, como a gestão pode melhorar esses “problemas”

A Ana ressalta que uma das formas de começar a evoluir a gestão de processos é registrando as não conformidades. Quando olhamos para onde estão os erros, nós temos a oportunidade de melhorá-los, até porque a gente não melhora aquilo que não conhece, certo?

A partir desse olhar para as não conformidades, começamos a corrigir os processos, buscamos evoluir e melhorar. O resultado deve ser de Qualidade para o paciente e também trazer retorno financeiro para a instituição! Se o cliente sair satisfeito de verdade pelo serviço e cuidado que recebeu e a empresa lucrar, a efetividade do processo foi alcançada!

Espero que esse artigo tenha ajudado a entender melhor a gestão na área da Saúde. Esse foi apenas um review de alguns pontos que eu achei interessante, para ter um conteúdo mais completo sobre esse tema, eu recomendo que você ouça o Qualicast!

Sobre o autor

Comentários

1 Comment

  • Tiffany Angelo 11 de março de 2020 at 4:31 pm

    muito bom!

    Reply

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados