Conquistando o engajamento dos profissionais da saúde

Publicado em 30 de setembro de 2020, por Marisa Malvestio

Imagem de várias pessoas trabalhando em um hospital. Essa imagem simboliza o artigo sobre engajamento dos profissionais da saúde

Uma equipe de profissionais da saúde que atuam com excelência é o bem mais precioso que um gestor dessa área pode ter. Muito mais do que aquela tecnologia caríssima de última geração. Para além daquele medicamento novo no mercado que só seu hospital tem. Mais do que um executivo, com todos aqueles cursos de gestão internacionais, mas sem sensibilidade para reconhecer o papel do profissional de saúde na performance das complexas instituições dessa área. Por isso, o engajamento dos profissionais da saúde é tão importante!

Uma instituição de saúde que se preocupa em desenvolver uma equipe engajada, está no caminho da alta performance, pois alcança benefícios em múltiplos aspectos sinérgicos entre si, por exemplo:

  • comprometimento com as ações e seguimento à protocolos e processos de trabalho estabelecidos, gerando desempenho, qualidade, produtividade e padrões elevados de resultados;
  • menor turnover de profissionais (principalmente da Enfermagem) e consequentemente, menores custos com desligamentos e maior retenção de talentos de alto desempenho nas diferentes áreas;
  • melhores indicadores e menores custos operacionais; 
  • construção de uma imagem positiva no mercado, e;
  • maior satisfação do paciente com sua experiência no serviço (acredite, apenas esse motivo já seria suficiente!).

Com esse foco, e a partir de um bom diagnóstico da instituição, é possível implementar ações rumo ao engajamento e a alta performance, com estabilidade. Não pretendo esgotar o tema, mas trago a seguir, algumas considerações sobre estratégias, a partir de tendências nesse campo.

Estratégias para o engajamento

Salários e benefícios

Sem qualquer receio de parecer uma ideia rasa, é preciso considerar que a remuneração adequada é um fator crítico no engajamento, principalmente na retenção de profissionais. Entretanto, sozinho, um bom salário não é capaz de garantir o prazer no trabalho e forjar a formação de uma equipe, se ele não vier acompanhado de bem-estar, reconhecimento e oportunidade de crescimento na instituição. 

Desta forma, o colaborador também precisa de um motivo formal para continuar, e o salário não deve ser esse motivo. As pessoas precisam saber que podem crescer na organização e serão apoiadas se o fizerem. Uma das formas (mas não a única) de fazer isso é instituindo planos de carreira, ou planos individuais de carreira e de vida. O Técnico de Enfermagem precisa saber que poderá finalizar a graduação em Enfermagem, e alçar novos caminhos na instituição. O médico pesquisador, precisa de oportunidade e tempo para se dedicar a projetos, escrever livros, que podem se tornar multilaterais. Oportunidades para estudar e pesquisar, são importantes e muito valorizados pelos profissionais da saúde, isso pode te ajudar no engajamento dos profissionais da saúde!

Pertencimento

O profissional precisa se sentir parte da solução e do resultado. E o gestor precisa mostrar disponibilidade. Se aproxime. Olhe. Ouça os profissionais. Entenda suas aspirações. Melhore a comunicação. Visite os setores. Vivencie os processos, seus sucessos e dificuldades. Pergunte, mas lembre-se: “Ouça a resposta”.

Colaboração

Crie espaços de compartilhamento de ideias. Isso é excelente para integrar equipes e construir bom relacionamento entre as diferentes forças de trabalho (e historicamente, esse é um desafio na saúde). Leve adiante as boas ideias em laboratórios de inovação do cuidado, por exemplo.

Ambiente de trabalho

Preocupe-se genuinamente com o bem-estar dos profissionais. De um agradável refeitório e escalas justas de trabalho, até programas de facilidades com farmácia e academias, por exemplo. Crie condições para o desenvolvimento profissional e de lideranças, ofertando capacitação e/ou cursos estratégicos para a construção dessa competência. 

Feedbacks

Use a força do feedback em todos os níveis, por exemplo: entre líderes, entre líderes e liderados e, também, entre os liderados. Escute. Elogie. Comemore as conquistas. Oriente. Cobre. Mostre o erro. Não se exima da responsabilidade de avaliar e ser avaliado. Tendências, fragilidades e pontos fortes surgirão daí.

Não desperdice a oportunidade de medir esse engajamento. Implante indicadores e meça-os. Há inúmeras ferramentas de qualidade que podem lhe ajudar. Divulgue os resultados.

Aliás, divulgue. E divulgue outra vez. E outra. Palestras, seminários, grupos de discussão e de apoio, rodas de conversa e grupos de whatsapp são ótimos para isso. Não economize em dar visibilidade. Mostre os resultados, os indicadores e corrija a trajetória se for necessário. Mostre aos colaboradores como a instituição muda para melhor, a partir do esforço de todos. Encante, sempre respeitando as diretrizes.

Reconhecimento

Reconheça. Não é simples. Pense em começar com uma boa pesquisa de satisfação com os funcionários. Com ela, será possível compreender fragilidades e espaços de crescimento, entender as aspirações dos profissionais e estabelecer os pontos fortes da sua gestão. A partir dessas informações, você poderá estruturar um plano de ação, construído de forma colaborativa, focado nas necessidades mais prementes e nas fortalezas de sua equipe.

Não há receita pronta de engajamento

Não existem fórmulas de engajamento, mas é fato que algumas diretrizes são básicas para seu alcance: respeito e justiça com o colaborador, transparência e liberdade, comunicação efetiva e a incorporação genuína da “força do coletivo” e do “valor do colaborador” na cultura organizacional.

Comece se engajando. Comece colaborando. Isso vai te ajudar, de fato, com o engajamento dos profissionais da saúde!

Comece liderando a mudança e inspirando as pessoas. Essa sim, é a grande estratégia.

Sobre o autor

Comentários

No Comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados