Por que os colaboradores resistem em fazer registros na área da saúde?

Por que os colaboradores resistem em fazer registros na área da saúde?

A área da saúde tem avançado muito no desenvolvimento da gestão interna, principalmente no que diz respeito à melhoria de processos, segurança do paciente e qualidade assistencial. Felizmente, estes avanços são fruto da maior conscientização das lideranças sobre a relevância de planejar, executar, verificar e agir corretivamente ou padronizar caso os processos estejam funcionando de forma adequada.

É o giro do PDCA evidenciado na gestão da rotina dos serviços de saúde, por meio do engajamento dos profissionais. E o que isto tem a ver com registros? Pois é!!!!

Agora lembrei de Joseph Juran, que disse:

Quem não mede, não gerencia. Quem não gerencia, não melhora. 

Inspirada em Juran, pensei em escrever sobre a resistência que encontramos em notificar e/ou fazer os registros na área da saúde dos fatos ocorridos. Como assim? Vamos compreender um pouco melhor!

A importância da notificação de eventos adversos

Um dos registros importantes na área da saúde é a notificação de eventos adversos no Notivisa. O Notivisa é um sistema informatizado para receber notificações de eventos adversos e queixas técnicas de produtos e serviços sob vigilância sanitária. 

Evento adverso é um incidente que causou danos à saúde. Incidente é uma situação ou uma circunstância que poderia ter resultado, ou resultou, em dano desnecessário à saúde. Ou seja, qualquer situação ou circunstância que poderia ter resultado ou resultou em dano desnecessário à saúde deve ser registrado no Notivisa. São exemplos de eventos adversos: falha na administração de um medicamento ao paciente; queda do paciente durante um procedimento ou internação; falha no procedimento cirúrgico; dosagem errada do medicamento ao paciente, entre outros. 

Você sabia que a maioria das organizações da saúde, não registram nenhum evento adverso no Notivisa, nem tão pouco internamente para promover melhorias?

Ah, já sei, você está pensando que não registram porque os eventos adversos não ocorrem. Infelizmente, não é isto! Os eventos adversos ocorrem e na maioria das vezes não são conhecidos, analisados e gerenciados para evitar uma nova ocorrência pelo mesmo motivo. Sabem por quê? Porque não temos a cultura dos registros na área da saúde.

Como assim?

Verdade! Os profissionais não são cobrados pelos registros e, em alguns locais, são punidos caso eles ocorram. Então, a atitude mais comum, é não registrar. É lastimável, não é mesmo!

Assim, é essencial que as lideranças incentivem suas equipes a registrar os fatos ocorridos para que juntos possam avaliar os motivos, investigar a causa raiz e traçar ações de melhoria para evitar reincidências. Isto é gestão de qualidade! Usar o método PDCA (planejar – executar – avaliar e agir corretivamente) para gerenciamento dos eventos adversos registrados evitando que novos eventos possam ocorrer é a melhor alternativa para as empresas que estão engajadas na melhor experiência para o paciente. 

Isto é admitir o erro, conhecer as falhas e analisar as causas para tratar adequadamente e evitar que voltem a acontecer. Parece óbvio, não é mesmo! Na saúde este tema é ainda mais relevante, pois estamos tratando de vidas e possíveis impactos na saúde das pessoas.

A importância dos registros na área da saúde

Os registros na área da saúde não se referem somente às notificações de eventos adversos. Referem-se também a todos os registros que asseguram a qualidade em todas as etapas do processo. Imagine que um paciente realizou um procedimento cirúrgico e foi esquecido de registrar a dieta que ele deveria receber após a cirurgia. É uma coisa tão simples, certo? Porém poderá ter um impacto significativo na sua recuperação. E se o registro esquecido foi em relação à calibração de um equipamento de mensuração dos sinais vitais. Um profissional deixou de registrar a data da próxima calibração e o equipamento não foi calibrado, podendo impactar na avaliação dos sinais do paciente. Quer mais um exemplo?

E se esse paciente fosse seu filho, seu pai, sua mãe ou uma pessoa que você ama muito e a atendente esqueceu de registrar que ele já tomou sua medicação no turno anterior e quando o novo turno entrou, administrou novamente a medicação no seu familiar, impactando na perda de sentido do paciente? Que tal? Você considera importante o registro, neste caso?

Imagino que você está preocupado com tantos questionamentos que estou provocando. Meu objetivo é demonstrar a relevância dos registros na área da saúde. Em muitos casos, o impacto da falta de registro pode gerar grande perda na qualidade de vida do paciente. Já houve casos em que o paciente errado passou por um procedimento de transplante renal, por exemplo. Imagina o impacto disto na vida desta pessoa!!! 

Por que os colaboradores resistem em fazer registros?

Estudos têm demonstrado que a resistência a mudanças ocorre principalmente pelos seguintes fatores:

  • Emoção: medo, perda, raiva, ansiedade, frustração, depressão ou foco em si mesmo;
  • Desprendimento: silêncio, evasão, ignorando comunicações, indiferença, apatia, moral baixa;
  • Impacto no trabalho: produtividade/ eficiência reduzida, não conformidade, absenteísmo, erros; 
  • Agindo fora: conflito, argumentos, sabotagem, comportamento dominador, agressivo ou passivo; 
  • Negatividade: rumores/fofocas, falta de comunicação, reclamação, foco em problemas, comemoração ao fracasso;
  • Evitar: ignorar a mudança, reverter para comportamentos antigos, soluções alternativas, abdicar de confiança; 
  • Controlando: fazendo muitas perguntas, influenciando os resultados, defendendo o estado atual, usando o status. 

Como motivar as equipes para fazer os registros na área da saúde? 

O ser humano é, por natureza, um ser de sentido. Quer entender e explicar os mistérios que o envolvem: princípio, meio e fim último da existência. Almeja entender as razões de sua busca e tenta significar e ressignificar suas experiências Tal característica lhe é inerente, mas não automática ou pré-definida. Dar e captar sentido para as experiências é uma capacidade humana e envolve o ser em sua totalidade: corpo, mente, coração e espírito. 

Este novo tempo, marcado por mudanças substanciais e rápidas, exige ações mais bem elaboradas e consistentes, coerentes, como caminho para a construção de novas relações, numa nova sociedade. Isto exige liderança transformadora! A habilidade dos líderes para lidar com as incertezas e volatilidade da sociedade neste novo tempo é fundamental. A liderança tem um significado referencial para um mundo necessitado de ações integradas e que façam a diferença, de forma positiva. É nesse processo relacional, intersubjetivo que a liderança acontece e faz a diferença nas organizações.

A tarefa da liderança é, pois, a de orientar, compor sentido ou influenciar os sujeitos, em relação, como forma de melhorar as condições e os resultados do próprio grupo, num dado momento. Líderes capazes de desenvolver suas ações de liderança a partir de valores que pautam a prática, as relações e a própria existência geram um ambiente positivo onde atuam, impactando positivamente em pessoas e organizações. Mais do que isso, buscam e encontram sentido naquilo que fazem e ajudam os outros para que sejam capazes de encontrar significado e propósito naquilo que realizam. Por meio destas competências, demonstrar o sentido e o valor do registro, no exercício da liderança, estimula a adesão das equipes aos projetos da qualidade e da mudança cultural. 

Conclusão

Quando as pessoas compreendem o “por quê” dos registros, ampliam a sua visão, de forma sistêmica, temos mais chances de buscar o engajamento. Uma organização com propósito, com clareza do legado que quer deixar para a sociedade exige a presença de líderes que valorizam o “fazer certo da primeira vez”, em prol de mais qualidade na assistência à saúde.Os líderes têm um papel importante na sociedade ao longo da história e neste momento de pandemia, incertezas e tantas mudanças é fundamental engajarmos as pessoas na melhoria da qualidade, por isto, registrar fatos e dados, analisá-los é o caminho para o gerenciamento e a melhoria contínua. Implementar uma gestão mais espiritualizada, valorizando o propósito e incluindo as pessoas com diversidade de gênero, opção social, religião ou características próprias faz parte de um ambiente propício à inovação e sustentabilidade. Os líderes podem contribuir muito com esta mudança neste novo tempo para salvar vidas.

Se você é líder e atua na área da saúde, faça seus comentários e complemente o meu pensamento para tornarmos nossa publicação mais completa. Se você não é líder, também pode contribuir com seu contraponto complementando meu ponto de vista e valorizando os aspectos essenciais de fazer os registros na área da saúde. 

Aguardo seus comentários!!!!!

 

Idealizado por Forlogic | www.forlogic.net
Saiba mais sobre qualidade em http://ferramentasdaqualidade.org/
Conheça nossos softwares:
Gestão da Qualidade https://qualiex.com/ | Gestão da Metrologia https://metroex.com.br/

 

Ana Giovanoni

Sócia do Grupo Giovanoni, atua na área de Consultoria Organizacional, Especialista em Ressignificação do modelo de educação, capacitação e gestão para tornar as organizações sustentáveis. Com mais de 20 anos de experiência, atuou em empresas nacionais de diversos segmentos, tendo conhecimento em todos os processos de certificação de Sistemas de Gestão, além de coordenar o planejamento estratégico e estruturação do Modelo de Gestão de diversos clientes, em especial no segmento da Saúde. Consultora Certificada CMC – Certified Management Consultant. VP do IBCO – Instituto Brasileiro de Consultores de Organização. Filiada à Associação Brasileira de Profissionais de Recursos Humanos, além de ser uma das embaixadoras do Grupo Mulheres & Propósitos. Participou, como co-autora, na criação do livro Re-Inventar a Liderança: um desafio diário, além de artigos relacionados a temas técnicos diversos relacionados à Liderança, Gestão, Propósito e Transformação Organizacional. Bacharel em Nutrição, pós-graduada em Marketing, com MBA em Liderança e Gestão Organizacional com módulo em Negociações Avançadas na Harvard Business School e Mestrado em Engenharia da Produção, além de MBA em Filosofia e Auto Conhecimento. Casada, mãe de 3 filhos, Tiago, Kitti e Maitê, avó de 5 netos que são meus professores e me ensinam a viver intensamente e ser feliz (Sophia, Joaquín, Lucas, Théo e Arthur). Em breve chegará o Miguel. Acompanhe mais no Linkedin e Instagram

Este post tem um comentário

  1. Mônica Guidoni

    Perfeita sua conclusão e análise Ana.❤❤
    Para que os times realizem os "registros", é necessário haver propósito do porque realizar os registros. Para isso ocorra, é necessário que haja uma transformação organizacional e na liderança. É importante treinar para que esses líderes tenham uma escuta mais ativa e acolhedora. Afinal, após os registro vem os resultados. O papel do líder é estar preparado para acolher o time em diversas situações e permitir que sejamos seres humanos mais humanos e sem medo de demonstrarmos nossas vulnerabilidades. Precisamos criar dentro das organizações ambientes mais saudáveis e colaborativos. Só conseguiremos chegar nesse patamar, quando o corpo diretivo da organização e os demais membros internos, trabalharem a união interna e a confiança entre todos, A confiança é a base da pirâmide para uma organização ter sucesso. E quando isso acontecer, teremos dados concretos para o planejamento da estratégia organizacional de saúde.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.